jusbrasil.com.br
7 de Abril de 2020

Moral defensiva

Adilson Luiz
Publicado por Adilson Luiz
há 6 anos

Algumas pessoas constroem um castelo de fantasia, para se esconderem de si próprios.

Essa “fortaleza sobre lama” é perceptível pelo comportamento alienado, estúpido ou arrogante dos “encastelados”; pela certeza de que sempre têm razão e tudo o que quiserem ou fizerem lhes é de direito. Isso, quando patológico, pode esconder o anseio de que o mundo compense suas deficiências. Se consciente, piora o que já era ruim.

Em ambos os casos, quando elas são flagradas em erro, reagem defensivamente, como “vítimas”, alegando perseguição ou preconceito; ou agressivamente, reagindo com insanas e desenfreadas saraivadas de pedras para, depois, altivos, clamarem: “aquele que não tiver pecado, que atire a primeira pedra!”. Quando acabam os “argumentos”, então, o pouco “verniz” que sobrou não consegue mais esconder a aspereza da alma! Nesse meio tempo, a diferença entre teatralidade e comportamento esquizofrênico paranóide nem sempre é clara. Claro é, apenas, que o mundo deve aceitá-las como são!

Isso, no entanto, não as impede de criticarem tudo o que as incomoda, ou de prejudicarem o próximo para se darem bem. Também é um “direito” delas! Aliás, elas só têm “direitos”, também assegurados a seus ascendentes e descendentes!

Regras e deveres? Só os que se adequarem às suas crenças pessoais e vontades. Civilidade e respeito ao próximo? Só dos outros para com eles.

Pessoas assim jamais aceitarão críticas por jogarem lixo no chão, fumarem ou estacionarem em locais proibidos, praticarem corrupção, desrespeitarem regras de convívio ou, até, leis. Sempre dirão que não sabiam, ou que tem gente que faz pior, que ainda não foi chamada à atenção. Entretanto, quando se sentirem incomodadas ou se não concordarem com uma regra, aí, nada servirá ou valerá! E virarão “paladinos” da “justiça” e “moral” de mão única. E quando melhor o nível “econômico”, pior!

Pois é... De certa forma, todos nos encastelamos um pouco, no mundo atual.

Violência, oportunismo, alienação e impunidade estão em toda parte, “abençoados” e massificados por mídias, empresas e governos. Até a “luta de classes” está sendo ressuscitada! Empresários inescrupulosos lucram disseminando lixo cultural! Só falta levarem às ruas um embate do entulho autoritário contra o totalitário. E a depredação de patrimônio será o menor dos problemas, pois, se isso tem conserto, o mesmo não se pode dizer de mentes vandalizadas, destruídas pelo preconceito e ódio ideológicos!

De certa forma, cada vez mais pessoas vivem estressadas, prontas para explodir a qualquer momento, geralmente no errado, com quem nada tem a ver com seus problemas. O trabalho, o esporte, a religião e a própria vida estão sendo confinados num octógono, com gente torcendo pelo pior desfecho: “pão e circo” moderno!

Nenhum de nós está isento de cometer deslizes. Uma antiga música e Roberto & Erasmo reflete sobre isso: “Será que tudo o que eu gosto é ilegal, é imoral ou engorda?”. Ocorre que às vezes é tudo ao mesmo tempo e a exceção vira regra de uso exclusivo!

Errar é humano! O inconformismo também. Com eles evoluímos, pelo bom senso, ou retrocedemos, pela estupidez, alienação ou arrogância. Tudo depende de como as pessoas reagem quando são confrontadas com seus atos, crenças ou desvios de caráter.

A reiterada desculpa do “eu não sabia!”, até que seria aceitável. Porém, tem gente cuja “fé” só conhece a oração: "Seja feita nossa vontade e os incomodados que se mudem"...

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)